segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

ACAMPAMENTO NA PONTA ESCURA

Barra do Ribeiro
Por muitos dias combinava uma remada com o amigo Maciel e, por um motivo ou outro, adiávamos a saída.. No final de semana anterior foi devido às condições do tempo que tinha uma previsão de muita chuva e risco de temporais. Acabamos transferindo para o sábado seguinte.
Durante a semana trocamos mensagens e, por sugestão de Maciel, cogitamos fazer uma remada no Guaíba ou uma descida de rio que poderia ser no rio Taquari a partir da foz do rio Forqueta, até Triunfo.. Mas, para isso  precisaríamos de apoio de terra na ida e no resgate, o que nos fazia pensar no plano de acampar na ponta Escura.

 Nos encontramos sábado, 6h30min, no local combinado e tomamos uma decisão final: sairíamos de Barra do Ribeiro que era um local desconhecido de Maciel e deixaríamos  descida de rio para outra oportunidade.

Previsão do tempo  (quinta-feira)

No sábado teríamos vento E de 7 e 5 nós até por volta das 16h que seria tempo suficiente para chegarmos na proteção da península da ponta Escura. Dali em diante estaríamos subindo pela costa com a proa para o Leste.
No domingo a tendência era de ventos mais calmos na parte da manhã,  virando para SE e aumentando na parte da tarde.
Seria a mesma direção que tomaríamos para cruzar o pontal do Salgado em linha reta e encurtar a distância. Assim, poderíamos chegar de volta na proteção do pontal antes  de aumentar o vento que estaria chegando a 12 e 13 nós na parte da tarde.
Essa seria uma navegada com ondas pela popa e, caso não se confirmassem as previsões, poderíamos  subir pela costa que estaria na proteção do vento .
Fora tudo isso, eu ainda contava com as previsões do Climatempo que eram  mais otimistas com relação ao vento.

Chegada na Barra do Ribeiro com céu encoberto.

Barcos de pescadores nas poitas.

Pai de Leonardo e o caiaqueveio, emproado, com as tralhas a serem carregadas.


Aproximação para umas fotos e aquecimento enquanto Maciel se aprontava.

Os pais de Maciel fazendo apoio de terra estavam encantados com o lugar.

Partimos em direção ao pontal do Salgado.




Chegando nas areias brancas.

Maciel avaliando a distância percorrida.


Comentário do Maciel: - aqui é um paraíso.

Navegando no costado da ponta do Salgado.







Aqui viramos no pontal do Salgado tomando a costa Leste.








Parada para o lanche numa das praias da costa Leste da ponta do Salgado.





Ao que me parece uma capivara esteve aqui, deixou um "montinho" de bolinhas que a onda se encarregou de espalhar.



Uma parada para descanso numa prainha escondida sob uma bela árvore.

Maciel chegando ao lado.


O barco solto na água.

Barco de pesca e a gurizada se divertindo.

As restingas da praia do Pinho com seus moradores.

Com a nossa aproximação as tartarugas se jogam na água mas, acabam caindo sobre as pedras.  Talvez teria sido a causa daquele casco quebrado ou, poderia ser de algum atropelamento por barco a motor.






A curiosidade a respeito das restingas de pedras é que por toda a costa naquela volta do saco do Pinho é coberta de areia. Pedras só existem  naquele trecho dentro da água formando várias ilhotas sendo muitas submersas.
Vejam no Popa uma matéria a respeito feita por Fabio de Lima Beck:
http://www.popa.com.br/_2008/imagens/paisagens/paisagens_923.htm

Meu comentário na matéria feita por Fábio:
17 Nov 2009
Germano

Belas fotos, muito bom relato - quem passar por lá, há de lembrar de suas belas fotos. Parabéns.

Agora, seguindo na direção da praia da Faxina.


Pequeno clipe de um trecho da navegada entre as pedras e a praia da Faxina.




Caiaques na praia da Faxina.


Desembarcando na Faxina.

Virando para esquerda,  seguimos a costa Norte da península que forma a ponta Escura.



Plantações de eucaliptos e belas praias mas, não dá para parar em todas.

Aqui fizemos uma parada para descanso.

Cerca que entra água a dentro.

Aqui aportamos e montamos acampamento, próximo a ponta da península.

Maciel providenciando lenha para um fogo de chão que a chuva adiou.


Quando olhei para o lado estava essa moradora do lugar me observando.












Saímos de Barra do Ribeiro até as praias de areias brancas, contornamos a ponta do Salgado, passamos pelas pedras do saco do Pinho  e fomos até a praia da Faxina. 
Depois, subimos pela costa norte da península da ponta Escura e acampamos próximo ao pontal em local sugerido por pescadores acampados por ali.

O dia transcorreu exatamente como havia sido previsto como se pode ver pela sequência de fotos até a chegada no local que decidimos fazer o acampamento.


***




Caiaque Artic.......................Leonardo Maciel


Caiaque Cabo Horn................Germano Greis




*****

8 comentários:

Leonardo Esch disse...

Que beleza, Germano! Curioso para ver o relato da jornada e a sequência!!!
Abração!

Remy disse...

Bela remada, estou escolhendo um caiaque para comprar e uma das opções é o Artic estou na fase da pesquisa,é muito bom ver estas fotos e de certa forma compartilhar com vocês esta maravilha que é remar livremente e apreciar as maravilhas que temos. Um grande abraço, e boas remadas.
Remy Valente
remyvalente@gmail.com

KT disse...

Leonardo e Germano, que grande expedição! Lugares tão lindos, desconhecidos e perto de nós.
Estou escolhendo um caiaque oceânico. Acho que ninguém melhor do que vocês para me falarem sobre as diferenças entre o Cabo Horn e o Artic, qual mais rápido? Qual mais confortável? Alguma outra diferença importante?
Obrigado, abraço.
Cristiano Fleck

Germano José Greis disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Germano José Greis disse...

Cristiano, Acho que se equivalem para esse propósito de remada que fazemos. O C.H. tem mais altura e o formato da popa de bico golfinho. O leme não tem controle de recolhimento embarcado - só se mudou. O A. é deck reto para ré que tem uma função que não lembro. Os dois são bastante estáveis. Tem o Kaiapó que entraria nesse mesmo time. Agora é experimentar todos (principalmente a questão de cockpit para remadores de mais estatura) e, o resto, é botar o olho e escolher pelo gosto.
Quanto a velocidade esses barcos visam mais estabilidade e capacidade de carga. Se o objetivo for velocidade o ideal é um barco com casco redondo e de boca menor possível ( geralmente em torno de 50cm. Esses têm 60/61cm de boca e formato mais para "U". Boas remadas.

KT disse...

Obrigado Germano, pelo visto não há grandes diferenças então vou mais pelo gosto pessoal !!!
Muito obrigado e espero um dia nos encontrarmos nessas águas da nossa terra!
grande abraço
Cristiano Fleck

Germano José Greis disse...

Tem uma outra opção de caiaque, com a venda por aqui: é um caiaque da sioux. Procura o grupo de canoagem osório que é amigo e rema conosco. Ele tem um caiaque para ti. Se quiseres, já poderás inaugurá-lo logo em uma remada pelas lagoas, com um acampamento. Já conhecerás o pessoal e todo esquema de remadas.Abraço,

Germano José Greis disse...
Este comentário foi removido pelo autor.

Postar um comentário